Segurança Pública pede socorro na Paraíba: Policiais Civis da Paraíba fizeram enterro simbólico na orla de João Pessoa

Segurança Pública pede socorro na Paraíba: Policiais Civis da Paraíba fizeram enterro simbólico na orla de João Pessoa

As areias da praia de Cabo Branco amanheceram com cruzes pretas e com um caixão de madeira, nesta quinta-feira (18), representando o futuro dos quase 800 policiais aptos à aposentadoria e que podem terminar a vida trabalhando, por causa das perdas salariais de mais de 40% para quem decide se aposentar ou é morto em atividade. Além disso, os policias se encontram de luto por receber o pior salário do país.

A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, com o apoio do Sindicato dos Peritos Oficiais da Paraíba – SINDPERITOS e da Associação dos Técnicos em Perícia, Necrotomistas Policiais – ATENEPOL, realizou o movimento no Busto de Tamandaré, que chamou muita atenção das pessoas que usam o espaço para a prática de atividades. Na ocasião, foi velado simbolicamente o policial civil na Paraíba que vem sendo desrespeitado e também precisa de segurança pois trabalham com coletes vencidos, com munição fora da validade, com armas com defeitos, recebendo o pior salário do país, sendo, portanto desvalorizados pelo Governo do Estado.

Vários nomes de policiais foram fixados no caixão, para lembrar os colegas assassinados no exercício da profissão, que morreram com problemas de saúde, ou cometeram suicídio.

“Foi uma triste lembrança, porque sabemos o quanto é doloroso para a família perder um ente querido e ainda ter que conviver com perdas financeiras. O investigador criminal na Paraíba recebe hoje um salário inicial em torno de R$3.200,00 reais para se arriscar contra a criminalidade organizada. E se morrer em atividade, perde 40% do salário, passando a família a receber menos de R$2.000,00 reais. É muito injusto não ter a oportunidade de ganhar um salário digno, quando sabemos que somos profissionais de nível superior, exercemos uma atividade de alto risco, perigosa e estressante. Enquanto isso, outros cargos da Polícia Civil, também de nível superior, recebem mais de 22 mil reais, sendo absurda tamanha disparidade”, disse a presidente da ASPOL/PB, Suana Melo.

“O presidente do SINDPERITOS, Hebert Boson, e o presidente da ATENEPOL, Mário Chaves, também participaram do ato, numa  demonstração de união de 87% da Polícia Civil, que exigem respeito por parte do Governador Ricardo Coutinho. A sociedade também precisa apoiar esse movimento que preza por segurança de qualidade para as pessoas e também para os policiais. Somos a melhor Polícia do país, trabalhando com 1/3 do efetivo ideal que deveria ser de 6.900, e receber o pior salário do país é um descaso. Já passou da hora de sermos reconhecidos”, completou Suana Melo.