Policiais civis pedem igualdade e movimentam Assembleia Legislativa

Policiais civis pedem igualdade e movimentam Assembleia Legislativa
A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, em parceria com o SINDPERITOS e ATENEPOL, realizou na manhã desta terça-feira (21), Assembleia geral extraordinária da categoria, em frente à Assembleia Legislativa do Estado (AL).
 
Os policiais se reuniram no miniplenario para acompanhar a votação da Comissão de Constituição, Justiça e Redação sobre o Projeto de Lei (PL) n. 1.664/2017, que trata das vagas para promoção da Polícia Civil, plantões extraordinários e acumulações. 
 
O PL n. 1.664/2017 contempla apenas a  categoria de delegados, com o remanejamento de vagas de um classe para outra, não sendo dada a mesma oportunidade de remanejamento para as outras categorias. O novo texto também retirava 20 vagas de agentes de investigação classe especial em relação à Medida Provisória nº 222, e isso deve ser retificado. A MP n. 222/2014 foi objeto de muitas controvérsias e acabou caducando, não se tornando lei. Assim, fica vigente a Lei 8.672/2008. Comparando com esta lei, é possível verificar que somente os delegados remanejaram vagas e aumentaram no dobro as vagas deles para classe especial.
 
A presidente da ASPOL/PB, Suana Melo, e demais representantes das entidades classistas  estiveram na CCJ da Assembleia Legislativa, onde a proposta recebeu pedido de vistas da deputada estadual Camila Toscano. “Estamos nesta luta por um tratamento com mais igualdade na Polícia Civil. O Governo do Estado se propõe a avançar com as promoções, atitude que merece nosso respeito,  mas desconhece que a proposta foi construída apenas pelos delegados que fazem parte da gestão e são também integrantes da diretoria executiva de entidade classista. Fica difícil entender se a proposta quer realmente beneficiar a Polícia Civil ou se há intenção de criar animosidade entre o Governo e os 87% da Polícia Civil”, destacou Suana Melo.A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, em parceria com o SINDPERITOS e ATENEPOL, realizou na manhã desta terça-feira (21), Assembleia geral extraordinária da categoria, em frente à Assembleia Legislativa do Estado (AL).

A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, em parceria com o SINDPERITOS e ATENEPOL, realizou na manhã desta terça-feira (21), Assembleia geral extraordinária da categoria, em frente à Assembleia Legislativa do Estado (AL).

Os policiais se reuniram no miniplenario para acompanhar a votação da Comissão de Constituição, Justiça e Redação sobre o Projeto de Lei (PL) n. 1.664/2017, que trata das vagas para promoção da Polícia Civil, plantões extraordinários e acumulações.

O PL n. 1.664/2017 contempla apenas a  categoria de delegados, com o remanejamento de vagas de um classe para outra, não sendo dada a mesma oportunidade de remanejamento para as outras categorias. O novo texto também retirava 20 vagas de agentes de investigação classe especial em relação à Medida Provisória nº 222, e isso deve ser retificado. A MP n. 222/2014 foi objeto de muitas controvérsias e acabou caducando, não se tornando lei. Assim, fica vigente a Lei 8.672/2008. Comparando com esta lei, é possível verificar que somente os delegados remanejaram vagas e aumentaram no dobro as vagas deles para classe especial.

A presidente da ASPOL/PB, Suana Melo, e demais representantes das entidades classistas  estiveram na CCJ da Assembleia Legislativa, onde a proposta recebeu pedido de vistas da deputada estadual Camila Toscano. “Estamos nesta luta por um tratamento com mais igualdade na Polícia Civil. O Governo do Estado se propõe a avançar com as promoções, atitude que merece nosso respeito,  mas desconhece que a proposta foi construída apenas pelos delegados que fazem parte da gestão e são também integrantes da diretoria executiva de entidade classista. Fica difícil entender se a proposta quer realmente beneficiar a Polícia Civil ou se há intenção de criar animosidade entre o Governo e os 87% da Polícia Civil”, destacou Suana Melo.