Policiais Civis da PB param atividades por 24h contra projetos que precarizam os serviços públicos

Policiais Civis da PB param atividades por 24h contra projetos que precarizam os serviços públicos

Os policiais civis da Paraíba vão parar suas atividades durante 24h no dia 9 de novembro. A decisão foi tomada pelos policiais das categorias investigativa e de apoio que compareceram à Assembleia Geral Extraordinária da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (Aspol), realizada no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em João Pessoa.

De acordo com a presidente da Aspol, Suana Melo, a paralisação foi atendimento das demandas de associados, e foi aprovada em assembleia, em repúdio ao Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 241 e Projeto de Lei Complementar (PLP) 257. “Ambos precarizam os serviços públicos e só contribuem para o achatamento salarial de nossa categoria, que hoje recebe o pior salário do Brasil. Nossos estudos, inclusive, nos mostram que somos não só os policiais civis que recebem menos no país, como também, somos o que temos uma defasagem salarial inflacionária de mais de 57% desde o ano de 2008”, frisou Suana Melo, que hoje representa mais de mil associados.

A presidente da associação ainda acrescentou que a paralisação terá caráter solidário, pois haverá recolhimento de doações que serão encaminhadas para os lares que abrigam idosos no Estado. “Temos uma abrangência de associados que vai de Cabedelo a Cajazeiras, por isso decidimos não só conscientizar a sociedade sobre a necessidade de valorização da Polícia Civil, em especial da categoria investigativa e de apoio, responsável por lidar diretamente com a elucidação de crimes e produção de resultados positivos para a segurança pública, como a redução de homicídios na Paraíba, mas também com essa aproximação com o público, contribuir para essas instituições que tanto precisam de ajuda”, explicou.