Nota de Repúdio

Nota de Repúdio

NOTA DE REPÚDIO

A Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB vem a público expressar o sentimento de repúdio à publicação disposta no Blog do Hélder Moura, nesta terça-feira (24), com título [Revolta na PC: associação faz “vaquinha” para bancar funerais de policial após Secretaria de Segurança recusar ajuda]. O texto, de forma inverossímil, tenta transformar uma ação de união e solidariedade da FAMÍLIA POLÍCIA CIVIL, por meio de sua maior entidade representativa, em mote para digressões descabidas.

A diretoria da Aspol/PB, imediatamente ao tomar conhecimento da morte do policial civil Waldir Ponce de Leon, assassinado no bairro do Valentina de Figueiredo, nesta capital, manteve contato com os familiares do colega e empreendeu esforços para contribuir com as demandas decorrentes do fato. Nesse sentido, a entidade utilizou as mídias sociais, nos grupos exclusivamente compostos por policiais civis, para arrecadar recursos destinados às despesas com sepultamento.

Cabe destacar que a iniciativa para a arrecadação foi empreendida de forma voluntária e solicitada por diversos policiais civis que se propuseram a contribuir, independente de qualquer auxílio ou contribuição por parte do Governo do Estado, pela consciência de que poucas famílias estão prontamente preparadas para esse tipo de dispêndio.

De forma desrespeitosa e inadequada, a publicação do jornalista Hélder Moura trata como “vaquinha” uma atitude nobre de solidariedade entre irmãos, que compartilham da mais profunda dor e consternação, desprezando o sentimento de união e expondo os familiares à situação vexatória, inclusive com a divulgação de dados bancários. Além disso, não cumpriu o dever jornalístico de checar a veracidade da informação a ser divulgada.

É notório que os Policiais Civis da Paraíba carecem prementemente de compatibilização salarial e valorização pelo exercício de tão importante e complexa atividade, bem como é sabido por todos das substanciais perdas decorrentes da aposentadoria e a necessidade dessa reparação, pois são esses uns dos pilares reivindicatórios defendidos pela ASPOL. Contudo, não podemos aceitar que as dificuldades sejam desvirtuadas e utilizadas como instrumento de manipulação da informação.

Esperamos o devido reestabelecimento da verdade e nos colocamos à disposição do jornalismo ético para divulgação do rol de demandas e reivindicações dos policiais civis do Estado da Paraíba.

João Pessoa, 25 de maio de 2016

Suana Melo
Presidente da ASPOL/PB