No Palácio da Redenção: ASPOL apresenta proposta de recomposição salarial para categorias investigativa e de apoio

No Palácio da Redenção: ASPOL apresenta proposta de recomposição salarial para categorias investigativa e de apoio

A presidente da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba – ASPOL/PB, Suana Melo, e o vice-presidente, Valdeci Feliciano, se reuniram na manhã desta sexta-feira (22), no Palácio da Redenção, com o chefe de gabinete do Governo do Estado, Nonato Bandeira.  O encontro teve o objetivo de apresentar estudo para recomposição salarial das categorias investigativa e de apoio aprovado na Assembleia Geral, realizada em agosto deste ano. Também participaram do encontro a diretora financeira da ASPOL, Evellyne Pontes, o vice-presidente do SindPeritos, Bruno Caldas Chianca, além de Humberto Pontes, vereador de João Pessoa, e o deputado estadual Genival Matias.

O material entregue pela ASPOL/PB ao Governo do Estado demonstra a defasagem do salário dos integrantes das categorias investigativa e de apoio, que hoje é considerado o pior do país, tanto em nível nacional, quanto regional. O documento também contempla o Instituto de Polícia Científica (IPC) e ainda prevê o enquadramento dos motoristas policiais na categoria investigativa, bem como reajuste dos vencimentos, para ativos e inativos, assim como a equiparação do risco de vida das categorias de nível superior.

“O encontro uniu representações de mais de 80% da Polícia Civil da Paraíba e foi muito produtivo, pois mostra a defasagem salarial que enfrentamos e, sobretudo, aponta soluções. Desde o início desta gestão, a ASPOL tem atuado de forma propositiva, séria, pensando na coletividade. Assim, espera sensibilizar os gestores para a situação atual e fazer justiça à categoria investigativa, que é de nível superior, mas ainda recebe salário de nível médio, o pior do país. O fato é que a nossa proposta foi construída por profissionais e apresenta matematicamente a viabilidade de reajuste de vencimentos e risco de vida, com um cronograma construído de forma responsável, inclusive, sem colidir com a Lei de Responsabilidade Fiscal”, destacou a presidente Suana Melo.