Investigadores da Polícia Civil de Campina Grande já prenderam 304 pessoas em 2015

Investigadores da Polícia Civil de Campina Grande já prenderam 304 pessoas em 2015

As equipes de investigadores da Polícia Civil de Campina Grande, formadas por agentes de investigação e escrivães de polícia, já realizaram 304 prisões até o último dia 26 de agosto de 2015. As prisões ocorreram em flagrante delito ou em cumprimento de decisão judicial.

Os dados são atualizados diariamente e divulgados, através de um contador de prisões, na sede da 2ª Superintendência de Polícia Civil, localizada no bairro do Catolé, em Campina Grande.

De acordo com o vice-presidente da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba, ASPOL, Valdeci Feliciano, os investigadores trabalham incansavelmente em busca de uma sociedade mais segura. “Até a polícia efetuar uma prisão, muito trabalho investigativo foi realizado. São horas e horas de dedicação de toda a equipe envolvida”, ressaltou.

“Para o Poder Judiciário expedir qualquer determinação de prisão, se faz necessário que a investigação reúna elementos convincentes, já que no nosso ordenamento jurídico a prisão deve ser exceção”, pontuou.

Valdeci lembrou que várias prisões importantes foram realizadas na cidade. “Só neste mês de agosto, em um curto espaço de tempo, a Delegacia de Roubos e Furtos prendeu 11 pessoas envolvidas com diversos crimes, a exemplo de explosões de banco e tráfico de drogas”, lembrou Feliciano.

O diretor de comunicação, Frank Barbosa, ressaltou que houve um fortalecimento da imagem da instituição durante os últimos anos. “Diariamente são noticiadas ações realizadas pela Polícia Civil no Estado. Na maioria das vezes o trabalho investigativo não aparece para que seja preservada a imagem dos policiais, mas estes números devem ser analisados e os policiais reconhecidos”, disse.

“Os policiais civis estão de parabéns e merecem, sem dúvida alguma, todos os aplausos da sociedade paraibana. Se analisarmos os números, teremos mais de uma prisão por dia. É um excelente trabalho de repressão qualificada da polícia civil”, finalizou Frank.

Todas as 304 prisões ocorreram pelos policiais civis que trabalham na 10ª Delegacia Seccional, sediada na cidade de Campina Grande, que possui sete delegacias distritais, 8 delegacias especializadas e três delegacias municipais.