Investigadora da Polícia Civil é nomeada para compor câmara de conciliação do Tribunal de Justiça da Paraíba

Investigadora da Polícia Civil é nomeada para compor câmara de conciliação do Tribunal de Justiça da Paraíba

A investigadora da polícia Civil da Paraíba, Elizabete Gomes da Silva, foi nomeada nesta quarta-feira, 30, pelo desembargador Leandro dos Santos, para exercer a função de Mediadora/Conciliadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Conflitos do Tribunal de Justiça da Paraíba (NUPEMECTJ/PB). A nomeação foi publicada através da portaria 003/2016 e assinada pelo diretor do NUPEMECTJ/PB.

Para Elizabete Gomes, a conciliação e a mediação é uma alternativa para a diminuição da grande quantidade de Processos Judiciais. “Estes instrumentos são fundamentais para a resolução dos conflitos antes que estas demandas se judicializem, trazendo à população uma solução mais rápida para a pacificação social”, comemorou.

Elizabete também é uma das selecionadas para compor a câmara de conciliação do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos e Cidadania da Justiça Federal, Seção Judiciária da Paraíba.

Ela e mais de 150 pessoas passaram por um processo seletivo, que resultou na escolha de 30 voluntários. “Embora tivéssemos uma seleção muito concorrida, a qualificação pessoal contou bastante. Estou na minha quinta pós-graduação e isso foi fundamental para eu ser uma das escolhidas”, explicou a policial, que tem 38 anos de serviços prestados à Polícia Civil da Paraíba.

“Estamos passando por um treinamento intenso, entre aulas teóricas e práticas. Estou muito feliz e realizado por estar fazendo o bem, plantando a paz, conciliando o que é de melhor para o próximo”, concluiu Elizabete.

A presidente da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (ASPOL), Suana Melo, explicou há muitos policiais que, mesmo com muito tempo na Polícia Civil, continuam se aperfeiçoando, produzindo e dando exemplos de profissionalismo. “Na categoria investigativa temos profissionais formados em diversas áreas do conhecimento e a maioria são pós-graduados, alguns com títulos de mestrado e doutorado. Esses profissionais merecem todo o respeito da população e das autoridades e precisam ser valorizados por toda essa dedicação”, disse.

Suana lamentou a situação salarial das categorias investigativas da Polícia Civil da Paraíba.  “A tendência é perdermos esses profissionais para outras instituições que tem pelo menos plano de cargos, carreira e remuneração”, concluiu.